Casa Individual

 

“Quem casa quer casa”. E quem não casa?

Também quer!

O aumento do número de pessoas vivendo sozinhas atualmente é verificado ao redor do mundo por inúmeras pesquisas, como a da consultoria americana Euromonitor, que diz ser o número de casas “unipessoais” (como são chamadas casas com um único morador) 27,6% maior em 2011 em comparação aos números de 2006 e 77% em relação aos de 1996.

Este fenômeno demográfico, já frequente em economias consideradas avançadas, como as da Suécia e Noruega, tem sido bastante presenciado em economias emergentes, como no Brasil e Rússia. Nota-se que a prosperidade econômica aliada aos desejos de independência financeira e liberdade pessoal influencia grandemente a busca pela casa, em geral, pequena e adequada às necessidades e recursos de um único morador.


Tradicionalmente tido como sinônimo de família, a ideia de casa toma novos conceitos e contradiz a opinião de quem acha que morar sozinho é sinônimo de solidão. Casa é agora espaço onde se tem a liberdade que deseja, longe da autoridade dos pais ou cônjugue, seja para deixar as roupas espalhadas, sair e não ter hora para voltar ou mesmo para se receberem os amigos e vizinhos que partilham da mesma situação de uma casa só sua.